Livro

Mil Novecentos e Oitenta e Quatro

Mil Novecentos e Oitenta e Quatro

  • tradução Ana Luísa Faria
  • páginas 324
  • ano 2007
  • preço 16,00 €
  • isbn 972-608-053-3

Curioso percurso, o desta alegoria inventada para criticar o estalinismo e invocada ao longo de décadas pelos ideólogos democráticos, e que oferece agora uma descrição quase realista do vastíssimo sistema de fiscalização em que passaram a assentar as democracias capitalistas.
A electrónica permite, pela primeira vez na história da humanidade, reunir nos mesmos instrumentos e nos mesmos gestos o trabalho e a fiscalização exercida sobre o trabalhador. Como se não bastasse, a electrónica permite, e também sem precedentes, que instrumentos destinados ao trabalho e à vigilância sejam igualmente usados nos ócios. É graças à unificação de todos os aspectos da vida numa tecnologia integrada que a democracia capitalista pode realizar na prática as suas virtualidades totalitárias. O Big Brother já não é uma figura de estilo – converteu-se numa vulgaridade quotidiana.

Autores

Baleia
Sei Porque Canta o Pássaro na Gaiola
O Caçador de Histórias
Políticas da Inimizade
Quinzinzinzili
Nota sobre a Supressão Geral dos Partidos Políticos