Apresentação e Perguntas Frequentes

As editoras não se definem apenas pelos autores que aceitam ou recusam, mas sobretudo pela maneira como os aceitam ou recusam.


Fundada em Junho de 1979, a Antígona iniciou a sua actividade com a publicação do livro Declaração de Guerra às Forças Armadas e outros Aparelhos Repressivos do Estado. Esta obra emblemática anunciava já o programa editorial que se tem vindo a concretizar, sem desvios, nos últimos trinta e sete anos.
Hoje, com mais de 260 títulos, a Antígona mantém a sua paixão inicial pelos textos subversivos, e vai continuar, ainda por muito tempo, a empurrar as palavras contra a ordem dominante do mundo.


perguntas frequentes

porquê antígona?
Personagem mítica, Antígona simboliza, antes de mais, a desobediência.

sendo uma editora portuguesa, porque editam tão poucos autores portugueses?
Poucos autores portugueses se identificam com a nossa linha editorial.

qual o critério que preside à escolha dos vossos autores?
Observamos primeiro se mijam fora do penico.

porque publicam apenas uma dezena de títulos por ano?
A quantidade é inimiga da qualidade.

porque não há colecções na antígona?
Toda a Antígona é uma colecção, realizando assim a crítica da separação.

por que razão abandonaram o slogan «cultiva a inteligência, não deixes morrer a revolta»?
Não foi a Antígona que abandonou esta máxima, mas o mundo que não a seguiu.

onde fica a vossa sede?
Nas catacumbas de alguns cérebros.

tenho uma proposta de publicação na antígona. como devo contactar-vos?
Através dos nossos canais, mas aconselhamo-lo a observar bem o nosso catálogo. É mais difícil um autor entrar na Antígona do que um camelo passar pelo buraco de uma agulha.

tem a antígona tradutores próprios?
Normalmente, sim.

é possível comprar livros on-line?
Sim, basta visitar a nossa loja online: http://loja.antigona.pt/. Pode também fazer a sua encomenda por e-mail (info@antigona.pt). Os livros serão remetidas via CTT, após transferência bancária.

o que distingue a vossa editora entre as demais?
Deixamos esta resposta ao leitor.

Últimos

As Veias Abertas da América Latina
O Norte e Outros Contos
Contos Musicais
Pastoralia
Alucinar o Estrume
Conta-me Uma Adivinha
O Direito à Preguiça
A Máquina do Tempo
O Palácio do Riso
O Tempo dos Assassinos
Tomás da Fonseca - Missionário do Povo